ROTA 3ª INVASÃO DE PORTUGAL

Houve ainda duas últimas tentativas de invasão de Portugal, uma terceira invasão francesa no início de 1810, sob o comando do Marechal André Masséna e uma breve escaramuça liderada por Marmont que durou apenas 21 dias. Masséna penetrou na região nordeste de Portugal, conquistou Almeida e marchou em direcção a Lisboa. Interceptado pelas forças aliadas, ele foi derrotado na batalha de Bussaco (27 de Setembro). Reagrupando as suas forças, ele conseguiu a retirada de portugueses e britânicos em direcção à capital. Os franceses chegaram às Linhas de Torres Vedras a 14 de Outubro, sendo esta barreira intransponível e esperando por reforços e provisões que nunca chegaram, Masséna teve de recuar novamente para Espanha perseguida pelos aliados, pondo fim à terceira invasão.

Esta nova linha defensiva que se revelou fundamental no decurso desta nova invasão foi concebida antes de uma eventual nova tentativa do inimigo para invadir Portugal, Wellington tinha centrado os seus esforços na defesa de Lisboa antes da impossibilidade de proteger toda a fronteira pela sua enormidade e pela ausência de barreiras naturais de importância. Para o efeito, ordenou a construção de Linhas de Torres Vedras, três anéis de fortificações em torno da capital, com 126 elementos, incluindo ravelins, torres, fortalezas, etc. Os trabalhos começaram no Outono de 1809 e as principais defesas foram concluídas mesmo a tempo um ano depois. Para dificultar ainda mais o inimigo, o terreno circundante foi sujeito a uma política de terra queimada e os habitantes da área foram realojados dentro das linhas.