ROTA 1ª INVASÃO DE PORTUGAL

Este roteiro representa a primeira tentativa por parte das forças francesas em invadir Portugal. Entre 1807 e 1813, Portugal esteve envolvido na designada Guerra Peninsular, resultado das sucessivas invasões que as tropas francesas infligiram à Península Ibérica.

Após o Tratado de Fontainebleau entre Espanha e França que determinou que um contingente francês, apoiado por parte do exército espanhol, passaria livremente pelo território espanhol para derrubar a dinastia de Bragança e assim estabelecer um domínio comum de Portugal entre os dois aliados. Os franceses, comandados pelo General Junot, que estabeleceu o seu quartel-general em Salamanca, seguindo depois em direção a Cidade Rodrigo para atravessar Perales del Puerto e alcançar Alcántara, onde de seguida atravessaria para o território luso. As tropas francesas entraram pela Beira Baixa a 19 de novembro de 1807, primeiro por Idanha-aNova, mais tarde por Castelo Branco, e posteriormente chegam a Abrantes no dia 24 de novembro de 1808. A próxima paragem será uma marcha sem oposição por Santarém e finalmente chegam a Lisboa no dia 30, porém as intenções francesas sofrerão um contratempo, já que no dia anterior a família real portuguesa tinha fugido para o Brasil, graças à frota britânica. As tropas francesas instalam-se na capital e ocupam todo país durante meses mas com tentativas de rebelião popular que foram duramente reprimidas, como no caso de Souro Pires, Guarda ou Alpedrinha às mãos do General Loison, conhecido como O Maneta. Este general veio em auxílio de Junot quando a sua situação se complicou depois do fim da trégua portuguesa. Partindo de Almeida, que tomou com facilidade, dirigiu-se até Lisboa onde foi perseguido pelas forças rebeldes portuguesas e onde não demonstrou piedade contra a oposição.

Em finais de junho de 1808, o Forte de Santa Catarina na Figueira da Foz é tomado por voluntários de Coimbra (Batalhão Académico) comandados pelo sargento Bernardo Zagalo. Foi sob a proteção dos seus canhões que as forças britânicas com cerca de 16 mil homens desembarcaram entre 01 e 08 de agosto na praia de Lavos sob os comandos do general Arthur Wellesley (futuro Duque de Wellington) e avançam para Lisboa pelo litoral. O protagonismo deste Batalhão Académico não terminou porque no decorrer desta primeira invasão napoleónica tomariam ainda os fortes de Nazaré e de Peniche. Mas o primeiro grande confronto acontece na Roliça, a 17 de agosto, onde os franceses, em inferioridade numérica perdem a batalha. As tropas francesas foram também derrotadas pelas forças luso-britânicas na Batalha do Vimeiro travada no dia 21 de agosto de 1808 após outro desembarque das tropas na praia do Porto Novo nos dias 19 e 20 de agosto. A rendição das forças francesas é efetivada na Convenção de Sintra que colocou fim à 1.ª Invasão Francesa.

Este itinerário acompanha as etapas e os movimentos franceses por Portugal e as marcas da presença das tropas napoleónicas em diferentes locais permitindo também explorar as primeiras movimentações das tropas britânicas por terras portuguesas.

Apesar da participação de vários contingentes franceses na invasão sob o comando de diferentes generais: Junot, Carrafa, Solano e Taranco, esta rota foca-se na atividade dos dois primeiros generais referidos, assim como no lado aliado, incluiremos os movimentos do general português Bernardim Freire e do seu “tenente” Francisco da Silveira ou ainda do britânico Wellesley, futuro duque de Wellington.

As etapas deste percurso vão desde Salamanca, passam por Cidade Rodrigo, Almeida, Guarda, Alcántara, Idanha-a-Nova, Castelo Branco, Abrantes, Golegã, Santarém, Cartaxo, Porto Novo – Vimeiro, Roliça, Figueira da Foz, Montemor-o-Velho e Coimbra.